Como saber qual o investimento ideal para você?

A pandemia do novo coronavírus têm feito com que as pessoas busquem novas formas de adquirir renda – e não só: a situação atual, com todas as suas agruras, também expôs a necessidade de planejamento e de ter dinheiro guardado para eventuais emergências.

Se você não tem uma reserva de emergência, o ideal é que você comece a preparar uma, mesmo que seja gradualmente.

Além dela, é importante também pensar em uma segunda fonte de renda para o futuro, especialmente porque a Reforma da Previdência já foi aprovada e os seus efeitos, como sabemos, serão sentidos em breve.

Para garantir uma aposentadoria mais tranquila, sugerimos que você aposte em uma previdência privada.

investimento ideal
investimento ideal

Trata-se de um investimento que é indicado para todos, dos mais conservadores na hora de fazer escolhas àqueles que costumam ter um comportamento mais arrojado para investir.

Explicamos o motivo: por meio de aportes mensais, que podem ser combinados com a instituição financeira, você se prepara para ter um salário mensal no futuro – o qual, por sua vez, pode ser somado ao valor da sua aposentadoria tradicional.

Da mesma forma, você pode optar por receber o dinheiro de uma única vez.

A previdência privada é um investimento de longo prazo. Se você está em busca de outro tipo de possibilidades, listamos a seguir alguns investimentos que podem fazer a sua cabeça. Confira!

Investimento: como saber qual é o ideal?

O tipo de investimento ideal varia de acordo com o seu objetivo e com o seu perfil de investidor, por exemplo.

Se você tem um perfil mais conservador, você tem uma tendência a preferir estabilidade financeira e tem baixa tolerância a perdas.

Nesse caso, o indicado é que você pense em investir em:

CDB

Sigla para Certificado de Depósito Bancário, diz respeito a uma aplicação que é oferecida por bancos e cujo objetivo é captar fundos para atividades da própria instituição.

É uma opção inteligente de investimento porque rende juntos superiores à poupança (a qual, como já sabemos, não é vantajosa para ninguém).

Vale dizer, porém, que o rendimento varia de acordo com prazo de vencimento, período de carência, das normas da própria instituição e do investimento a ser feito pelo usuário interessado.

Existem três possíveis tipos de rendimento dessa aplicação

Prefixado

Quando os juros são definidos antes da compra;

Pós-fixado

Quando os juros estão atrelados à variação de um índice específico.

Híbrido

Que é a mistura dos dois tipos de rendimento já citados.

Tesouro Direto

Oferecido pela Secretaria do Tesouro Nacional, trata-se de um processo através do qual o investidor “empresta dinheiro” para o governo e, então, recebe o dinheiro de volta com juros depois. Como se pode ver, lembra um pouco o CDB.

O Tesouro Direto é uma opção interessante, pois a transação pode ser feita através da internet, de forma rápida e segura, e há títulos de valores muito acessíveis.

LCI e LCA

A LCI (Letra de Crédito Imobiliário) e a LCA (Letra de Crédito do Agronegócio) são investimentos de renda fixa que são isentos de Imposto de Renda.

Também são parecidos com os CDBs.

No caso da LCI, empresta-se dinheiro para o setor imobiliário. No caso da LCA, os títulos têm como objetivo arrecadar dinheiro para quem faz parte da cadeia do agronegócio, ou seja, para cooperativas, produtores rurais e afins.

Investimentos de renda variável

Pessoas com perfil de investidor mais conservador geralmente não apostam em renda variável, uma vez que o retorno da aplicação é imprevisível no momento do investimento.

Quem aposta em renda variável entra, de alguma forma, no capital do emissor daquela possibilidade de aplicação.

No caso das ações, por exemplo, os acionistas literalmente têm direito a uma ou mais fatias daquela empresa.

As ações, aliás, são o tipo de renda variável mais visado. Existem duas formas de ganhar dinheiro com ações: com distribuição de dividendos ou por meio da valorização dos papéis na bolsa de valores.

O segundo caso tem bastante impacto no imaginário das pessoas, que geralmente pensam em Wall Street e circunstâncias análogas.

O funcionamento das ações é como nos filmes, ou seja: conforme o mercado oscila, o preço da ação cai ou sobe.

Quem compra baixo e vende alto, portanto, faz dinheiro.

As quantidades de dinheiro, no entanto, variam de acordo com a quantidade de ações compradas e do valor delas e de muito estudo do mercado, mas não só.

O acaso e os acontecimentos também podem derrubar ou fazer crescer uma ação.

Assim, como podemos ver, trata-se de um investimento de risco.

Quem quiser se aventurar no mercado de ações deve entrar em contato com um especialista.

Dessa forma, será possível tomar atitudes mais alicerçadas e, então, diminuir a possibilidade de perdas.

Deixe um comentário